domingo, 23 de julho de 2017

Projeto do SENAI PB e Empresa Mundial TECH transformará lixo em insumo para a indústria

A produção de lixo no Brasil cresce a cada dia, é o que revela um estudo realizado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) Segundo a Associação, 58% de todo o lixo produzido pela população brasileira vai para os aterros sanitários, os 42% que correspondem a aproximadamente 76 mil toneladas de resíduos sólidos vão para os lixões, e não possuem o conjunto de sistemas e medidas necessários para proteção do meio ambiente ou degradação.

Ainda de acordo com a pesquisa, de todo o lixo coletado no Brasil, 22,1% dos resíduos sólidos estão no Nordeste, o restante está dividido entre as regiões Sudeste (52,5%) e Sul (10,9%), Centro Oeste (8,1%) e Norte (6,4%). No Nordeste, no ano de 2012, segundo a pesquisa, foram coletadas 40.021 toneladas de lixo/dia, com 31,6% deste montante sendo descarregados em lixões.


O acúmulo de resíduos sólidos nos lixões gera a produção de substâncias como Cromo, Enxofre e Chumbo.  O Chorume que é o líquido originado pela decomposição do lixo, por exemplo, contamina os lençóis d’água. E com o objetivo de propor uma solução para esse problema, o Centro Inovação e Tecnologia Industrial – CITI, do SENAI em parceria com a Empresa Mundial TECH de Campina Grande - PB, desenvolveram um projeto que permite transformar os resíduos sólidos como garrafas, pneus, sacolas plásticas, madeiras e outros em insumos que poderão ser utilizados na indústria de Construção Civil, Cimenteira e na Indústria de Blindagem Automotiva.

O Projeto, denominado Usina Beneficiadora de Resíduos Sólidos (UBRS-I), fruto de 18 anos de pesquisa, funciona por meio da engenharia reversa de materiais, realizando um processo químico que separa os elementos, transformando o lixo em tijolos, telhas, blocos, vigas betume de aplicação a frio, e toda aplicação de agregados em qualquer faixa granulométrica ou bitola desejada. Merece destaque a brita sintética durável, insumo que pode ser utilizado na construção civil, e apresenta sete vezes maior resistência, 50% maior leveza e maior durabilidade do que a brita de granito.


O lançamento da UBRS-I aconteceu nesta quinta-feira, dia 21/05, na Unidade do SENAI CITI, localizada no Distrito Industrial de Campina Grande. Além do Presidente da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba, Francisco de Assis Benevides Gadelha, estiveram presentes no lançamento da Usina, a Diretoria da FIEP, empresários, autoridades políticas, e representantes da sociedade civil.

O Presidente da FIEP, Francisco Gadelha, falou dos impactos econômicos e sociais do equipamento. “Para qualquer cidade do Brasil, o equipamento é extremamente vantajoso. Com a Usina, é possível destinar 76% dos resíduos acumulados nos lixõese transformar em insumo, a exemplo da brita, que tem um peso menor que a brita de granito. O SENAI CITI, apoia e incentiva a inovação, neste sentido, o pesquisador nos apresentou a ideia, nós desenvolvemos a Usina, e produzimos este protótipo, que tem aproximadamente 15 metros de extensão, toda tubulação e reator, podendo atender uma população de até 1.000 pessoas. Para cidades com 50 mil habitantes, os técnicos avaliarão a necessidade de aumentar a Usina”.
 
O pesquisador e representante da Empresa Mundial TECH, Romero Leite ressaltou o ineditismo do Projeto e sua aplicabilidade: “Não existe em todo o mundo, uma tecnologia semelhante que dê a destinação adequada ao lixo, como esta Usina realiza. A humanidade será a grande beneficiad
a, pois será possível deixar de extrair o insumo mineral do meio ambiente e poderemos utilizar o lixo para produzir as mais diversas matérias-primas. Um dos insumos, a brita sintética, pode ser utilizada no asfalto, no pavimento como base de terraplanagem, ou em placas e tem durabilidade de cerca de 2.800 anos, de acordo com as pesquisas realizadas por nossos técnicos. A Usina pode produzir um produto modelável, o que permite a aplicabilidade do produto em diversas áreas. Os custos do equipamento serão negociados com os empresários interessados”, revelou o pesquisador.
Informações adicionais podem ser obtidas através do telefone: (83) 2101-5396.
Assistir vídeo: 
http://g1.globo.com/pb/paraiba/jpb-1edicao/videos/v/projeto-transforma-lixo-em-britas-em-campina-grande/4197835/

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Evolução do Açude Curema/Mãe d'água em 2017.

31-12-2016

O Açude Estevam Marinho, popularmente conhecido por "Açude Curema", em função dos já quase completos, seis anos de seca que atinge em cheio toda região nordeste do Brasil, entre os anos de 2012, a Fevereiro de 2017, este manancial se apresenta com seu volume hídrico em situação bastante critica, ou seja, volume morto.
O reservatório atingiu o seu volume morto no dia 24 de outubro de 2016, onde na oportunidade serviu como ponto turístico, atraindo centenas de curiosos, que diante da tal situação, vinham visitar o açude, devido não acreditar, que algo tão ignorado estava acontecendo.
No entanto, esta reserva hídrica está sendo usada apenas para abastecer a populações do Município de Coremas/PB.


Evolução do Complexo Curema Mãe d'água - PB
Açude
Capacidade
Quota atual
Data
Percentual
 Curema/PB
 591.646.222m³
48.753.000m³
31-05-2017
 8,2 %
 Mãe d'água
 567.999.136m³



 Total do complexo    
 1.159.645.358








  Quota mensal.
Janeiro
01-01-2017 - 14.901.000 m³ 2,5% - Em 31-01-2017 - 14.365.000 m³ 2,4%
Fevereiro
01-02-2017 - 14.365.000 m³ 2,4% - Em 24-02-2017 - 15.937.000 m³ 2,5%
Março
01-03-2017 - 17.243.000 m³ 2,9 % - Em 31-03-2017 - 28.636.000 m³ 4,8% 
Abril
01-04-2017 - 28.682.000 m³ 4,8 % - Em 28-04-2017 - 51.764.000 m³ 8.7%
Maio
01-05-2017 - 52.279.000 m³ 8.8% - Em 31-05-2017 - 48.753.000 m³ 8,2%
Junho
01-06-2017 -  

domingo, 30 de abril de 2017

Comemoração Alusiva ao Dia Nacional da Caatinga 2017.



Visita Ambiental a Fazenda Santa Clara.
Neste, 29 de Abril de 2017, em comemoração alusiva ao Dia Nacional da Caatinga, a Entidade Ambientalista S.O.S Rio Piancó realizou uma visita a Sede da Fazenda Santa Clara, situada a 2 Km da área urbana do Município de Piancó/PB.


Neste, 29 de Abril de 2017, em comemoração alusiva ao Dia Nacional da Caatinga, a Entidade Ambientalista S.O.S Rio Piancó realizou uma visita a Sede da Fazenda Santa Clara, situada a 2 Km da área urbana do Município de Piancó/PB.

Ao chegarmos à fazenda Santa Clara, onde oportunamente nos reunimos com seus proprietários presentes, Sr. Enoque de Alencar, sua esposa Clarice e sua Filha, Dra. Italia Clarice Zago de Alencar, que ao proferir sua fala, discorreu sobre a ineficiência das importações dos pacotes tecnológicos para o semiárido, afirmou que os mesmos surgem como alternativas para revolucionar o nordestino brasileiro, mas, os mesmos defendem e incentivam a introdução de espécies exóticas, não adaptadas ao nosso clima e nossa realidade, principalmente em se tratando de fauna e flora.

Italia também discorreu sobre a sustentabilidade e a permanência do homem na caatinga, defendeu o manejo integrado da vegetação, diante das atividades de produção de alimentos para os humanos e também das plantações de suportes forrageiros para alimentação dos animais, aproveitou a oportunidade para também falar sobre a espécie de Arvore “Neem” disse que a introdução dessa espécie no Bioma Caatinga, é mais um pacote tecnológico sem fundamento, haja vistas que a espécie flora e frutifica permanentemente durante os doze meses do ano, que as suas sementes atinge uma taxa de germinação de aproximadamente 100%, com isso acredita ela, que o Neem futuramente irá suprimir a vegetação nativa da Caatinga, o que é um grande risco afirma.

Em seguida Italia nos convidou a observar uma área onde está desenvolvendo om projeto de recuperação de áreas degradada, já em estado de desertificação, nesse local ela está introduzindo espécie de vegetação xerófila, segundo ela, a introdução dessas espécies, irá servir como atrativo para a habitação da micro-fauna.
S.O.S Rio Piancó.