quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Evolução do Açude Curema/Mãe d'água em 2017.

Açude Curema/PB. 31-12-2016


O Açude Estevam Marinho, popularmente conhecido por "Açude Curema", em função dos já quase completos, seis anos de seca que atinge em cheio toda região nordeste do Brasil, entre os anos de 2012, a Fevereiro de 2017, este manancial se apresenta com seu volume hídrico em situação bastante critica, ou seja, volume morto.
O reservatório atingiu o seu volume morto no dia 24 de outubro de 2016, onde na oportunidade serviu como ponto turístico, atraindo centenas de curiosos, que diante da tal situação, vinham visitar o açude, devido não acreditar, que algo tão ignorado estava acontecendo.
No entanto, esta reserva hídrica está sendo usada apenas para abastecer a populações do Município de Coremas/PB.


Evolução do Complexo Curema Mãe d'água - PB
Açude
Capacidade
Quota atual
Data
Percentual
 Curema/PB
 591.646.222m³
 15.135.000m³
22-02-2017
 2,5%
 Mãe d'água
 567.999.136m³



 Total do complexo    
 1.159.645.358








  Quota mensal.
Janeiro
01-01-2017 - 14.901.000 m³ 2,5% - 31-01-2017 - 14.365.000 m³ 2,4%
Fevereiro
01-02-2017 - 14.365.000 m³ 2,4% - 28-02-2017 -
Março

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Primeira enchente do Rio Piancó em 2017.

Foto: S.O.S Rio Piancó


Neste domingo 12 de Fevereiro de 2017, o Rio Piancó arranca sorrisos das faces da sua população de ribeirinhos, como também de todos os habitantes do Vale do Piancó - PB.

Durante a noite do dia 09 de Fevereiro de 2017, o Rio Piancó, preliminarmente, inicia a condução das suas águas rumo à primeira enchente do ano de 2017.

O inicio para formação da sua primeira enchente, aconteceu, em função das chuvas caídas entre algumas localidades dos Municípios paraibano, Diamante e Ibiara. Mas com a continuação complementar de várias chuvas que aconteceram nas demais áreas de sua bacia hidrográfica, o rio realmente conseguiu fazer sua graça. A enchente atingiu 0,84 cm na estaca de régua que fica localizada sob a ponte do rio na Cidade de Piancó/PB.
 
Com suas águas turbas e, como sempre, contendo os mais diversos tipos de elementos poluidores, como por exemplo; esgotos, putrefações de animais mortos que a população dispersa no sua aluvião e, também uma grande quantidade de sacolas, pneus carcaças velhas de geladeira, fogões, sofás, cadeiras etc.

No entanto a população não interessa muito em saber o que vem contido nas águas, o que realmente interessa é puramente saber se realmente é “água”, oportunamente aproveitam para fazer a festa.
Fonte: S.O.S Rio Piancó.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Evolução do Açude Curema/Mãe D'água em 2016

Imagem do Açude Curema 30-09-2016
Açude Curema anuncia que poderá secar. Comparando sua capacidade máxima hídrica, entre o complexo, "Curema/Mãe D'água"  1.159.645.358 m³, com relação a disponibilidade hídrica atual, o manancial está passando pelo pior momento hídrico de toda sua história.
Após o escoamento de todas suas águas, através de suas comportas, Agência Nacional de Águas (ANA), juntamente com o DNOCS, ambos descompromissados com a questão sócio-ambiental  deste manancial, e usando da prerrogativa do técnissismo burguês, e dando continuidade aos seus "autoritarismos", inteligentes ou apenas irresponsáveis, na oportunidade insistem em secar a derradeira gota d'agua que resta no sertão da Paraíba.
A próxima vitima agora é a Barragem Mãe d'água, a mesma poderia servir como reservatório emergencial para atender a demanda por "carros pipa" mas, primordialmente está servindo para perenizar o aluvião assoreado de sua jusante, rio abaixo.
O objetivo da ação maldosa e, principalmente criminosa. Portanto perguntamos aos Senhores (as), tem irresponsabilidade maior? Imaginem ainda, cometidas por órgãos Gestor de Recursos Hídricos de âmbitos Nacional, e estadual,
O volume total do Açude Estevam Marinho mais conhecido como "Açude Curema Mãe D’água", quando foi construído, era de 1.358.000.000 m³, mas, no ano de 2013 estudos bati-métricos foram realizados, onde na oportunidade apontou uma perda brusca em sua capacidade.
Estudos comprovam que entre os principais problemas responsável diretamente pela perca significativa de sua capacidade, está relacionado aos assoreamentos, esses ocasionados pelos desmatamentos, onde o alvo principal são as matas ciliares do rio e também dos seus afluentes formadores. Atualmente o manancial apresenta-se com a seguinte capacidade máxima 1.159.645.358 m³.
Capacidade do Açude Curema.....................................591.646.222 m³
Capacidade do Açude Mãe d'água.................................567.999.136 m³
Capacidade do complexo Curema/Mãe D’água........1.159.645.358 m³

 Manancial
 Capacidade
 Volume.atual
Data 
Percentual 
Curema 
591.646.222 m³ 
15.002.000
29.12.20162,5 %
Mãe D'água 
567.999.136.m³ 



Complexo C/M 
1.159.645.358.m³ 



Nova Olinda 




Santa Inês 




Condado 




Buiú




Cachoeira dos Cego










Observação: O minúsculo volume das águas, está relacionado ao baixo volume pluviométrico caído nos últimos quatro  anos (2012,2013,/2014,2015 e 2016).
No dia 24 de Outubro de 2016 o manancial atingiu o seu volume morto, através da quota 13.513.000 m³.
Quota mensal 2016: 
01/01/2016.........59.100.000 m³ 9,9 %
01/02/2016.........59.100.000 m³ 10,0 %
01/03/2016.........54.423.000 m³ 9,3 %
01/04/2016.........53.908.000 m³ 9,1 %
01/05/2016.........53.737.000 m³ 9,0 %
01/06/2016.........48.276.000 m³ 8,1 %
01/07/2016.........41.758.000 m³ 7,1 %
01/08/2016.........33.743.000 m³ 5,7 %
01/09/2016.........24.981.000 m³ 4,2 %
01/10/2016.........18.220.000 m³ 3.0 %
01/11/2016.........12.078.000 m³ 2,0 %
01/12/2016.........15.670.000 m³ 2,6 % 
29/12/2016.........15.002.000 m³ 2,5%